Sobre o fim de um ciclo; sobre o fim da faculdade

Sobre o fim de um ciclo, sobre o fim da faculdade e sobre a biblioteca

Antes, esses rostos todos me eram tão conhecidos… Eu sabia quem ali estava, quem ali estaria. Ao passar pelas mesas, às vezes apressada, às vezes a passeio, o caminho era interrompido por abraços diversos. Olá, tudo bem? Como você está? Abraços e beijos nas bochechas, diversos.
Antes, eu conhecia os cabelos, os penteados, as cores. Havia o cabelo da L., que se destacava e, logo abaixo, suas covinhas sempre acompanhadas do seu sorriso - sempre! Sempre sorrisos… O curto cabelo de S., que fazia meu coração palpitar. Nessa, o sorriso era mais tímido, mais escondido, mas sempre amigável e simpático. Em uma monitoria ou outra, eu a via ali… Há mais tempo, há muito mais tempo, sabia que haveria corpos conhecidos estirados pelo chão, ao lado das estantes de livro, descansando de muito cansaço, esperando caronas prováveis. Eu sabia que talvez veria T. e seus cachos absurdamente lindos e ele estaria com alguma camisa de banda - seria aquela do Arctic Monkeys que virara farda? -, com um fone de ouvido pendurado na camisa. Esse não sorria não fácil, como L. e S.., era mais misterioso, com ar poético, apaixonante… Eu sabia que talvez o veria e sempre gostava de ver. E talvez voltássemos juntos para casa, em um ônibus mais vazio do que o de meio-dia. E ao seu lado, A., a amiga tímida e fofa, que transmitia paz.
Eu sentava nessas mesas com tanta gente… Havia L., maravilhosa L., com M. ao seu lado. Eu adorava aquelas duas e adorava me sentir adorada por elas. Havia uns, outros, tantos! Que, aos poucos, se dissiparam… Foram tomando outros rumos.... Indo caminhar em corredores de outras faculdades… Alguns saíram da faculdade, outros do estado, outros do país. Outros saíram apenas do meu ciclo de amizades: ainda os vejo, mas sem abraços, nem beijos, nem nada, apenas acenos distantes. Opa!
E agora, rostos novos, desconhecidos. Não sei quem são esses que circulam por aqui… Dá para reconhecer os que são recém chegados, possuem uma paixão pelo lugar, um desejo, a mesma paixão que eu sentia também - e agora sinto falta.
Sinto falta… De tempos que pareciam melhores.

Mas tudo bem. Outros tempos melhores virão e um dia esses dias também me farão falta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Guarda-chuva amarelo

Lar.

Fotografias em palavras