Pular para o conteúdo principal

Tom



Minha alegria era esperar pelo fim do dia, sentar na cadeira que rangia do bar e encontrar meu bom e velho amigo Tom. Ele sempre estava lá quando eu chegava, o cabelo bagunçado, os olhos vagos olhando para lugar nenhum, olhando para dentro de si, com os ombros caídos, cansados, esperando que o dia acabasse, assim como eu esperava que o dia acabassem também. Sentava ao seu lado, nos cumprimentávamos rapidamente e fumávamos um cigarro. Gastávamos o fim da tarde sem dizer nada, apenas compartilhando o cansaço da vida, em silêncio, brincando com a fumaça do cigarro. Era quase como paz. Por alguns minutos.  Ele pensava na vida e eu pensava nele.
Ao anoitecer, eu o abraçava e íamos embora. O abraço era quase como um agradecimento pela companhia e, secretamente, um pedido silencioso para que ele não fosse. Mas ele sempre ia, eu o via indo. Ele nunca olhava pra trás.

Comentários