Pular para o conteúdo principal

-

"Havia uma possibilidade em sete bilhões de ser ela. E foi. Aconteceu com ela. Por quê? O que ela tinha feito para merecer? Por que ela?"

Após escrever e finalmente conseguir dar início a sua história, Alice levantou e deitou-se no sofá. Pensou no que escreveu. Pensou e se sentiu extremamente egoísta.
Por que, afinal, não seria ela? Por que teria que ser outro alguém? Achou que se julgava especial por pensar assim - mas tinha convicção de que não o era. O que havia de diferente entre ela e qualquer outro, que somente ela não poderia sofrer? Ela e aquela senhora ao seu lado no ônibus tinham a mesma chance, naturalmente, de sofrer e de sorrir. Chance não. Tinham o direito (porque nem todos tem realmente a chance). Sofrer não a fazia infeliz nem distante de qualquer outro ser.
Levantou-se, riscou novamente o que havia escrito e, como se não bastasse, amassou a folha. Escreveu:
"Assim como todos os outros, assim como qualquer outra pessoa, Nina teve sua chance de sofrer. E sofreu."

Comentários