Pular para o conteúdo principal

Run away

Estou me tornando aquilo que mais odiei - isso acontece às vezes. O que jogamos no mar na esperança de que se vá, volta. Julguei-te pelas vezes que partiu, pelo meu coração esmagado em suas garras, sua frieza aos meus sentimentos, suas palavras de adeus. No verão mais bonito, você não estava aqui, jurou-me voltar em dois meses. Voltou, como sempre, mas se foi novamente. Agredi suas ações em palavras e hoje, veja eu. Estou aqui escondida nos esconderijos da minha alma, escapando-me de qualquer tipo de contato humano, palavras não me agradam mais e ninguém age. Chorei pelas suas idas e hoje estou indo, também. Não mando mensagens, desliguei o telefone, não saio para lugar nenhum. Não quero te ver, não quero ver ninguém. É claro, é culpa de alguém, sempre há a quem culpar. Dessa vez, não sei. Não me sinto segura em lugar nenhum, apenas aqui, onde meu silêncio faz-se escudo do barulho do mundo. O silêncio é o que me salva.
Mas se tem algo diferente a dizer, diga. Se quiser fazer, vá em frente. Aqui, só é bem vindo quem foge da mesmice.

Comentários