Pular para o conteúdo principal

Enfim, fim.


Um dos melhores e piores sentimentos que você pode sentir por alguém é o da decepção. Sentir-se decepcionada. Ah, como dói. Construir uma vida inteira, depositar todos seus sonhos e depender de uma única pessoa para ser feliz, confiar de uma forma tão intensa e não parar para pensar que pode acabar em qualquer momento. Estamos tão confiantes de que só aquele sentimento bonito é capaz de vencer tudo que não pensamos em mais nada, em nenhuma defesa, em nenhum contra-ataque, apenas deixamos acontecer.
Fui tão tola ao fazer isso. Ao me render e evitar pensar que iria acabar. Digo, uma parte de mim sabia que hora ou outra tudo mudaria. Porém, eu acreditava de corpo e alma que ele estaria ali, como sempre esteve. Briguei com meio mundo por ele, me afastei de grandes amizades por falarem que você não era o melhor para mim. Quem eram eles, afinal, para julgar-nos? Quem eram eles? Eles não eram você, então não me importavam. Só você me importava, como sempre. Nenhum deles tinha um jeito único e especial de encantar-me dia após dia e deixar tão apaixonada, até quando a paixão já havia acabado. E eu que amava até seus defeitos? Amava até seu egoísmo e seu drama de achar que amputaria o braço só por ter machucado o dedo. E eu que amava até quando você me segurava até tarde da noite, sem querer aceitar que eu precisava dormir cedo? Não me importava em dormir às duas horas e acordar às cinco da manhã. Amava-te tanto que nem ligava se não era saudável para mim.
“Amor, tá tudo bem? Já tá tarde e você ainda não chegou. Me dá um toque, por favor. Eu te amo.” Eram as pequenas coisas que me faziam te amar ainda mais.
Eu faria tudo por for você. Tudo o que era do meu alcance, eu fiz.
E foi tão pouco.
Sofri tanto por meu tudo ser pouco demais para te fazer bem que nem enxerguei que você era pouco. Que você era pequeno. Nem enxerguei que você era sujo. Eu deveria ter visto desde o começo, não deveria ter te esperado tanto tempo nem ter te amado tanto quanto eu amava. Confesso que ainda te amo tanto. Porém eu deveria ter me amado mais.
Oh, Deus, mas que bom que esse dia chegou. O dia que nos separamos de vez. E por mais que isso me doa dias após dia, estou livre de todas as suas mentiras, de todas as suas promessas sem valor, de todas as suas enganações, do seu teatrinho, das suas lágrimas falsas. Isso é bom, não é? Porque para mim sempre foi você e só. Você dizia que eu era única também. Você dizia que não queria ninguém mais, apenas eu e eu. Mas afinal... Para quantas garotas você dizia isso? Quantas outras meninas era o amor da sua vida? Não importa mais o que você faz, o que você fez. Você não importa mais para mim. Você realmente nunca esteve comigo, eu que te criei esse tempo todinho. Eu que te criei em mim.

Comentários

  1. E nós demoramos tanto, mas taaaanto para enxergar isso! Que atire a primeira pedra quem nunca de tanto sonhar com um, criou o amor perfeito e aplicou-o à suposta pessoa perfeita. O bom é chegar aí, onde conseguimos olhar além do horizonte e orgulhar-nos de por n estar mais ao lado desse alguém, por ter superado. Um beijo. :*


    Gostei daqui e estou te seguindo. Me visita, segue também se gostar. (:

    http://railmamedeiros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. É, e quando a gente demora demais para enxergar, a vida faz o favor de jogar na nossa cara até a gente abrir os olhos D: E o pior é quando a pessoa se faz de pessoa perfeita, se finge de perfeitinho. Sabe como é, né? Gente suja. O bom é isso, é a gente saber que vai sobreviver.

    ResponderExcluir

Postar um comentário